terça-feira, 18 de janeiro de 2011


Lembro bem que era final de agosto, de tardezinha e céu estava divido entre tons de amarelo e rosa. Foi quando eu tive coragem, Baiano. Olhei, pela primeira vez, nos olhos de Deus. E pedi. Ah, Baiano, pedi tanto e intenso para que você se livrasse do gosto ruim, para que os seus olhinhos voltassem a brilhar. Era um pedido de encontro e de sumiço. Pedi como nunca ousei fazer nem pra mim. Sempre rezava escondida no escuro do meu quarto, porque assim tinha a ilusão de que Ele não poderia me enxergar. Fechava os olhos, com medo de encará-lo de frente.
Mas você é bom, Baiano. Que chega a dar raiva. De mim, desse mundo sem alma, dessas pessoas rasas. Você é diferente. Por você, era possível olhar nos olhos de Deus. Para você, qualquer pedido se tornaria irresistível. Deus não negaria.
E mesmo assim, ainda que você não fosse bom, sensível, carinhoso, inteligente, divertido, com uma grande quantidade de raras virtudes, eu pediria. Todos os dias, todas as horas. Porque eu sabia, desde o primeiro momento, que você traria algo muito bom para a minha vida. E trouxe. E ficou. Pra sempre. Com você, Baiano, aprendi a olhar nos olhos de Deus. E confiar.

Dessa vez, Ele não disse nada, mas eu senti.








14.01.2011 às 16:52

7 comentários:

  1. Obrigado pelos elogios, aonde encontrou meu blog? :)

    também gostei do seu, você escreve muitissimo bem... ter fé é super importante para nossa vida, uma pena que certas pessoas ignoram isso...
    bjs

    http://songsweetsong.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Relato extremamente admirável
    a fé em nossos dias atuais
    é de uma relevância incrível
    e precisa ser praticada
    a todo dia, toda hora.
    Pois o mundo vem perdendo a sua cor,
    que antigamente possuia.
    Lindo blog, estou a te seguir

    Dan

    ResponderExcluir
  4. Aii que lindo...fé, sintonia, amor redenção...tudo lindo em suas palavras!

    ResponderExcluir
  5. Às vezes olhar nos olhos de Deus nos deixa com medo e constrangidos.

    Eu só posso imaginar o momento que a levou a escrever isso, mas se as palavras podem ser interpretadas de formas diversas, devo dizer que ao ler seu texto, consegui encaixá-lo em algumas partes de minha vida.

    E se Baiano a ensinou a olhar nos olhos de Deus e a confiar, pode chamá-lo de 'sua coragem'.

    ResponderExcluir